coloque aqui seu e-mail para receber as mensagens:

Deus é existência e não existência (ou, por que o professor Pondé diz que virou ateu)



Em geral as discussões da existência ou não de Deus ou deus são muito aborrecidas.


Na maioria das vezes, tanto ateus como crentes demonstram que examinaram muito pouco a questão e já defendem apaixonadamente suas crenças. Não acreditar em Deus também é apenas uma crença: Crer que não existe.


Hoje assisti um vídeo do professor brasileiro Luiz Felipe Pondé, e gostei bastante. Ele explica suas razões em porque se tornou ateu de uma forma muito boa. Repare bem: Ele não diz “porque não acredita em Deus”, mas “porque se tornou ateu”. Essa diferença já demonstra bastante lucidez. O link para o vídeo no YouTube é este:



Bem, eu gostei muito, mas discordo e resolvi escrever pra ele no espaço reservado para os comentários. Não sei se ele irá jamais ler, mas publico aqui, para a consideração de quem acompanha este blog. Procurei resumir ao máximo. Seja como for, não importa o numero de palavras, pois palavras não bastam para atingir essa realização transcendental:


Professor, gosto bastante da sua posição, ainda que discordando.
Toda a sua premissa está baseada na condição de percepção linear do tempo. O que é absolutamente comum em quase todas as argumentações pró e contra.
Sugiro que examine o conceito Védico de Tantra, também adotado por alguns budistas. E que poderia ser entendido como um dos significados de "Reino de Deus", que teria sido mencionado por Jesus.
Deus é existência e não existência. Igualmente existe e não existe. É realizado, e não entendido.
Uma vez realizado, percebe-se toda a feiúra e injustiça do mundo de uma outra forma, em que essa feiúra e injustiça deixam de existir. Tat Sat. É o que É.
Esse estado não é percebido pela mente mundana, mas pode ser atingido através da integração da mente com a essência viva, que pode acontecer a qualquer momento. Acontecendo, a percepção de momento é dissolvida. É chamado em sânscrito de Samadhi. Existem diversos níveis de samadhi. Uma vez que você consiga ter ao menos o nível mais elementar, não se libertará completamente, mas se libertará da necessidade de permanecer dialeticamente discutindo se Deus existe ou não. Começará a desconfiar que não é essa a questão.
Existem técnicas para induzir o samadhi. Dos mais diversos tipos e em culturas as mais diversas. Todas partilham no entanto, em comum, do entendimento do pensamento como um fenômeno do corpo. Assim, alterações do metabolismo também alteram os pensamentos e o entendimento do Real.
Parabéns pelo trabalho equilibrado e permanentemente indagador. Uma luz, certamente. Abraços.  



Yogacharya Céu
New York City, 16 de Fevereiro de 2017